top of page
Blocos coloridos
  • Foto do escritorRenan Magoo

SE MORRER, USE CLOROQUINA!


"Não morra! Mas quando morrer use cloroquina e depois morra!". Foi seu Jair quem disse.


Saudades quando as pessoas morriam por tropeçar no degrau.

Ou enfiavam a cabeça num pote de doce de leite e morriam eletrocutadas.

Ou quando morriam ouvindo o disco da Xuxa ao contrário.

Ou quando morriam com coco de pombo nova-iorquino.

Ou quando morriam asfixiados por uma calcinha usada no show do Wando.

Ou quando morriam no yoga fazendo a posição do Macaco anglo-saxão invertido.

Ou quando morriam no salto com vara feito com 1.500 palitos de sorvete colados uns aos outros.

Ou quando morriam saltando de paraquedas, mas sem o paraquedas, apenas saltando.


Mas tudo mudou. A pandemia chegou. Vitão passou batom e tocou fogo em seu cabelo enquanto fazia um solo do Iron Maiden no ukulele.

A Luisa Sonza fez harmonização facial e ficou parecido com o Chimbinha. O Padre Marcelo Rossi misturou água benta com anabolizante e agora esmaga demônios com seus bíceps toda sexta.

Mas as pessoas continuavam morrendo e a cloroquina chegou para salvar as emas. Mas as emas fugiram e o presidente, para mostrar que a cloroquina salva, tomou 800 comprimidos de uma vez e ao terceiro dia se desintegrou.


No seu memorial houve um discurso de poucas palavras, mas emocionante:

Sua cueca nunca mais será a mesma. Disse Mourão, aos prantos, segurando um espeto de frango.

Depois disso todos foram para a avenida paulista protestar e pedir o impeachment da Dilma, mesmo sabendo que ela já tinha sido impichada em 2016.


Saudades da mulher do Temer.

21 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentários


bottom of page